Carol Poci

Brasil

Carolina Poci – Arte e Vibração

O mundo em que vivemos exige de nós uma versatilidade e uma velocidade de adaptação que as gerações anteriores não conheceram. A Internet nos disponibiliza informações sobre todos os assuntos e o desafio passa a ser a assimilação de elementos tão diversos quanto numerosos. Na Arte, o reflexo desse ritmo se traduz no despertar de talentos. E há quem se revele versátil a ponto de se sobressair em mais de um campo.

A artista visual Carolina Poci é um exemplo desse novo modelo de artista. Paulistana, Carolina está em contato com a arte desde criança. E o que era diversão na infância e até mesmo no período universitário, acabou por ocupar um lugar de destaque em sua vida, em dois caminhos que se entrelaçam: a Fotografia e a Pintura.

Carolina levou a versatilidade ao extremo e profissionalmente escolheu a Medicina. Uma opção que exige tempo e dedicação. E a enorme carga de stress que faz parte da rotina médica acabou por resgatar o lado artístico, como uma grande válvula de escape. Acontece que ao amor pela Fotografia se conectou o prazer de viajar. E as memórias de lugares, sensações, pessoas e culturas, ganharam uma permanência no olhar artístico de Carolina Poci.

 

Suas imagens têm algo de magnético. Além de um colorido que sugere um universo paralelo, algo fora de nosso mundo físico, há uma magia nos olhares que veem além do que enxergamos. Há uma vibração especial e em suas imagens, tanto o sacerdote grego como a camponesa peruana ou a turista suíça parecem transmitir um poder mágico.

Em cada imagem, Carolina Poci nos brinda com suas experiências. No trabalho desgastante da luta pela vida e na captura de uma vibração especial, como

elemento comum a diferentes culturas. Suas obras nos sugerem o poder de driblar a morte e a consciência de uma energia comum que faz de nós partes de um todo

infinito.

Seu ensinamento se completa com o exemplo de que sempre pode existir um novo

lugar, um novo olhar, uma nova perspectiva e uma tela em branco para retratar a vida. Um convite e um estímulo à curiosidade, ao recomeço, à esperança.