Subscribe to Our Newsletter

UP Time

@ 2019 Marisa Melo Created

Europa

Brasil

Tel: 351-91093 4204

Tel: 55  (11) 99724 0909

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
Buscar
  • Up Time Art Gallery

Entrevista com a artista plástica Rosário Bello

Atualizado: Mar 26



Rosário Bello transmite em suas obras a coragem das suas convicções e dos seus sonhos.

É determinada em seu trabalho.

Seu traço é decidido e vigoroso.

A paixão que coloca em suas obras transcende a matéria.

A poesia é palpável,  transmite leveza, bondade e leva a passear a imaginação.

Consegue superar o sofrimento físico e mostrar a essência e a qualidade efêmera do sentimento.



Na Arte, o que lhe motiva e comove?

Na arte existe algo que nem eu própria consigo explicar mas que de certa forma faz parte de mim, essa enorme vontade de criar algo, de dar vida à cor, muitas vezes até me comovendo, não pelo trabalho realizado mas pelo sentimento da entrega pelo que fui capaz de fazer. O que o levou à Arte?

Um sonho de criança, o olhar confiante na minha arte pela Dra. Graça Baptista de Vila Velha de Ródão, a qual me convidou a expor os meus trabalhos e desde 1996 até aos dias de hoje é essa lembrança e esse meu agradecimento à mesma por me ter feito acreditar que era capaz e por isso o continuar desta minha viagem pela arte até aos dias de hoje. Como foram seus primeiros passos na Arte?

Comecei pelo desenho, penso que no fundo a base para a pintura , e, como autodidata o resto fui aprendendo com o tempo, tal como a experimentar materiais, desenvolvendo o que hoje chamo do meu traço, tal como todos os artistas têm e que os distingue dos demais na sua forma de pintar e se expressarem. Quem admira no panorama artístico?

Penso que todos os artistas têm algo de especial, quer pelo seu traço, quer pela sua arte. Estar a evidenciar um não seria justo para com a arte dos outros artistas. Mas, ainda assim gosto de Monet, Renoir e Van Gogh. Renoir porque tal como eu sofria de artrite reumatoide, sendo os tempos outros, o que lhe limitava movimentos e provocava dor, mas que ainda assim a sua paixão pela arte o fazia continuar, tal como eu continuo a minha "viagem". Fale sobre seu processo criativo. Como lhe chega a inspiração?

A inspiração nem sempre chega é algo que nem eu própria consigo ter consciência desse momento. Embora muitas vezes ela surja do nada, mesmo sem grande vontade para pintar ou do silêncio do dia ou da noite, em que a alma se inquieta e nos proporciona esses momentos únicos em que somos apenas "nós", eu e a tela. Quando começa uma obra, já tem a imagem final em mente?

O que acontece é iniciar algo com ideia na mente e no fim... nada é o que pensara fazer no início. São estados de espírito que neste caso apenas o artista que está a pintar sente o que lhe vai na alma e expressa através da cor para a tela. Acho que nunca temos certeza de nada, tal como na vida. Sua obra tem uma mensagem social?

No fundo todas tem a sua mensagem, quer seja social ou não. No meu caso tento muitas das vezes ter se assim se pode dizer uma "explicação" para uma cor, um traço ou apenas uma imagem. São telas que contam histórias, de vida, de pessoas, locais ou de memórias. Mas sim tenho trabalhos em que a mensagem é explícita ao olhar, com conteúdo, uma busca ou apenas uma chamada de atenção, ainda que pormenorizada mas que acredito que fica a quem a observa. E isto também é arte, mensagens "escritas" pela cor. Como desenvolveu seu estilo?

O meu estilo penso que tal como de outros artistas é um traço próprio que foi desenvolvido através do tempo e da arte, no meu caso aprendi sozinha aquilo a que chamo o meu "género" de pintura.


Como define o seu estilo?

Não é um estilo, mas várias variantes, tanto pinto um abstrato, como uma tela realista, no fundo acho que o mais importante é que nessa diversidade se encontre através da forma de pintar o que identifica o artista, a sua arte. Se fosse uma cor, qual seria?

Seria o "azul noite". Porquê? Porque é a cor que mais aprecio e a cor onde posso através do fundo da mesma "dar" cor à vida e a muitas das minhas telas. Qual a maior alegria que a Arte lhe proporcionou?

Para mim o poder ter saude para pintar apesar das minhas limitações na mão direita, para mim é uma alegria constante, até porque a mesma acaba por ser um grande" conforto" para os estados de alma.

A maior alegria é ver que o meu sonho de criança não se perdeu no tempo e se mantém devido ao meu trabalho, esforço, dedicação e sem desistir, ainda que às vezes o nosso pensamento nos tente "desencaminhar" do que realmente nos faz "viver" . É preciso amar a arte para que a mesma se torne bela aos olhos de quem a vê e sente.


Como vê o mercado da Arte em Portugal?

Penso que para um artista singrar neste"mundo" o mais importante é trabalhar para que isso aconteça, fazendo exposições, divulgando o seu trabalho mesmo que para isso perca um pouco do seu tempo. Falo de Álvaro Espadamal, também um grande artista plástico e também excelente professor de artes, que me disse um dia... "o teu caminho pela arte foi sempre" solitário". E sim concordo e levo isso como um gramde orgulho pelo meu trabalho ao longo destes anos, porque o pouco que tenho é fruto do meu trabalho de uma luta por um sonho em que sempre acreditei, e se hoje consegui alguma coisa, porque não sou ninguém, sou apenas a Rosário Bello, foi à minha custa, ao apoio dos meus pais, que nunca me disseram para desistir de sonhar e da minha família pelo seu apoio sempre presente, assim como de todas as pessoas que acompanham esta minha "caminhada". Uma área complicada mas que com trabalho e dedicação chega a todo lado e a todos os artistas e é por isso que muitas vezes divulgo a arte de outros colegas, porque as vezes também é importante apoiar os outros e eu sei o valor que isso tem quando no inicio não tinha esse apoio. Acha que toda Arte é politicamente engajada?

O que importa é que a arte seja feita com alma e coração e que a mesma chegue a todo o lado, ainda que seja um local sem grande acesso à mesma. Cada artista tem o direito de se expressar e de ser compreendido, ou não. A arte pode ser “comercial”?

A arte pode ser "comercial" sem no entanto nunca perder a sua verdadeira essência, aquilo que a faz nascer e ser criada. Para mim isso é o mais importante, o ser comercial ou não depende do ponto de vista de cada um. Qual o quadro que gostaria de ter pintado?

Aquele que ainda não pintei por achar que de tantos que fiz ainda não ter conseguido um que ache estar "completo" para mim. Respeito e admiro o trabalho de todos os artistas mas também posso dizer que pintei uma tela que para mim significa muito o seu titulo já diz muito "ONDE ESTÁ A HUMANIDADE", no fundo uma tela com uma mensagem, um apelo, um sentimento. Quanto aos quadros de outros artistas que pudesse querer ter pintado não tenho um definido porque em qualquer trabalho à pormenores com que me identifico e não num todo. E é nesse aspecto que admiro no geral todos os artistas, pelas cores, pormenores e mensagens que deixam pelo mundo.

205 visualizações