top of page

Entrevista com Fabio Woody

Atualizado: 20 de fev.

O trabalho da UP Time Art Gallery é inspirar e fascinar através da Arte. Nossos artistas apresentam trabalhos que retratam nossas emoções, nossas causas, nossas vidas. O público sempre quer conhecer o artista por trás da obra. Quem é, como pensa? Que história de vida levou a esse trabalho?


Hoje conosco, Fabio Woody!



Fabio Woody é de São Paulo. Diretor, roteirista, poeta, cartunista, artista visual, atua nos diversos espectros da comunicação; desde design gráfico a ilustração, edição de vídeo, concepção e produção de projetos artísticos diversos e animação.


Vamos saber mais sobre esse artista tão completo!




1-Fale como nasceu o Fabio Woody artista ?


Acredito que minhas primeiras expressões por meio do fazer artístico surgiram logo na primeira infância. Nos primeiros rabiscos, segundo conta minha mãe. Eu já fazia formas humanoides e afirmava serem palhaços. No entanto, o Woody "autor" vem sendo uma construção trabalhosa e constante desde o ano 2000, quando após passar por uma importante mentoria e começar a passar pelos primeiros processos terapêuticos, me permiti buscar minha própria voz artística. Sempre processando um grande mix de referências, em paralelo a muito aprendizado técnico e histórico. Em suma, creio que o Woody artista/autor segue nascendo vida afora.


2- Quais são as referências e influências que permeiam a sua arte? E como definiria os seus trabalhos?


Sou fortemente influenciado pelo eixo entre a erudição e a descartabilidade, em cujo centro acredito estarem artistas da pop art, como Andy Wahrol e Basquiat. Porém evito mimetizá-los, agir como eles agiram - ou seja: processando minhas referências e devolvendo algo que consiga apresentar algum valor próprio. Nesse mix entram quadrinhos da Era de Ouro, impressionistas, cubismo sintético, artistas naïf, Beatriz Milhazes, Leonilson, Flávio de Carvalho, Arthur Bispo do Rosário, Jack Kirby, capas de discos de jazz, vinhetas da Mtv dos anos 80 e 90, desenhos dos meus filhos, psicodelia e também algo do rigor compositivo, por incrível que pareça, dos renascentistas.

Um mix, um baita mix.





'Animal Transcendental' - Al 01 / 2023

Acrílica sobre tela 1 x 1.3m



'Animal Transcendental' - l 02 / 2023

Acrílica sobre madeira MDF - 0.8 x 0.8m




3- Como é que um artista cumpre o processo entre a criação de suas obras até o momento em que as expõe ao olhar crítico do público?


Posso unicamente falar do meu processo. Após mais de duas décadas passando por ofícios diversificados - ainda que todos relacionados ao fazer artístico e à comunicação -, aprendi demais sobre o valor da disciplina. Além disso, pelo fato de a espiritualidade ser algo completamente presente no meu dia a dia, desenvolvi muito fortemente um senso de intuição, de legado e de propósito. Essa base se une ao meu repertório (vivencial e cultural), e também - seria hipocrisia negar - a uma noção de popularidade. Não me interessa ser um artista para a compreensão e a fruição de poucos.


Portanto, inicio minhas telas tendo como passo inicial um bom desenho. Um desenho que seja simples. Vou então dando a ele interconexões, reverberações, abro possibilidades. Do desenho à tela, após um cansativo tempo dedicado aos alicerces básicos da composição, a partir de um certo momento passo mais tempo olhando do que operando a pintura. o próprio quadro vai me demandando o que ele necessita. E durante os primeiros 90% do tempo trabalhado, não tenho certeza de que estou no caminho certo. Vou seguindo, tentando "ouvir" a tela. Até que, após uma íngreme subida, começo a visualizar o platô. Nesse momento, é necessário não dar nenhum toque excessivo. Às vezes levo dias para perceber a falta de uma única pincelada. Passado todo esse furor do processo de pintar, uma vez acabada, sou quase que apresentado à tela pelas pessoas que a vêem. Emesmo tendo sido eu o canal pelo qual ela se fez, muito daquele processo depois desaparece dentro de mim como se tivesse sido um sonho. Resta então somente a obra pronta, que já não é minha: é de quem a vê, de quem a compra. É do mundo. E nesse momento, minha escuta se redireciona ao feedback das pessoas - tanto o dito com palavras, quanto dito de outras maneiras mais sutis.



4- O que você está reproduzindo atualmente?


Atualmente dedico meu trabalho autoral a três frentes: uma série de arte digital, bastante urbana e ruidosa; outra série de pinturas em tela chamada "Animais Transcendentais", inspirada no conceito de formas-pensamento e elementais autogerados; e telas não propriamente seriadas mas inspiradas na afetividade e na sensualidade, especialmente da mulher.






'Brilho'

Acrílica sobre tela - 1 x 1.5m



5- Você se considera um artista acima de seu tempo. por ter intimidade com várias linguagens e técnicas?


Não estou nem acima do tempo, nem de nada e nem de ninguém.. Tento atuar como um discípulo de Hermes, transitando livremente do passado ao futuro e de volta ao presente, mas sem a ilusão da egotrip identitária.


Sou um cara contemporâneo, de inteligência mediana, com senso de realidade. Busco uma percepção justa das minhas próprias limitações e diferenciais, mas sem que isso diminua meu comprometimento.

Qualquer milímetro que eu consiga avançar para além da mediocridade já é motivo de grande celebração e gratidão.

O fato de eu transitar por vídeo, animação, poesia, desenho, pintura, ilustração digital entre outros, apenas é um reflexo da inquietação da minha alma. Tento preservar algo da curiosidade infantil, da exploração e do encanto que as crianças têm diante da vida. Mas não me empenho em muitos experimentalismos. Hoje em dia estou mais focado em deixar uma mensagem.


6- Quais são seus projetos de futuro?


Meu projeto de futuro é poder espalhar minha arte mundo afora. Poder continuar vivendo de minha arte, bem como propiciar à minha família tudo de melhor. Ter saúde para poder ver as pessoas que amo se orgulharem por haverem convivido comigo durante esta existência terrena.




'Melodramatic Monsense' - 2005

Acrílica sobre tela - 0.6 x 1.2m




Saiba mais:

Instagram: @ a_estranha_vida_de_fabio_woody






Sobre a UP Time Art Gallery:

Galeria de arte itinerante que reúne artistas do Brasil e de países da Europa para disseminar o que há de melhor no cenário da arte contemporânea. Fundada por Marisa Melo, a galeria de arte alcança mais de 30 países ao redor do mundo, isso porque ela funciona de forma itinerante desde o seu nascimento, apresentando mundialmente exposições 3D e exposições regionais e internacionais presenciais com um time de artistas distintos.



Nossos serviços:


Exposições virtuais, físicas nacionais e Internacionais, Feiras de Arte, Projetos, Catálogo de Arte, Construção de Portfólio, Pod Cast, Biografia, Textos Crítico, Assessoria de Imprensa, Entrevistas e Provocações.




18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page