Passaporte para a Imortalidade - Èdouard Manet

A Arte é o espelho da nossa alma. Dorian Gray e Fausto retratam sonhos: beleza, prazer, sabedoria... Oscar Wilde e Goethe souberam captar nosso íntimo, retratar suas épocas e entraram para a História. Esse é o poder da folha, da partitura e da tela em branco. Elas não esperam apenas mais um texto, mais uma canção, mais um quadro. Diante delas, um inglês escreveu “Ser ou não ser”. Um alemão combinou quatro notas mágicas em sua 5ª. Sinfonia. E um italiano pintou um sorriso enigmático. Passaram-se os séculos. E Shakespeare, Beethoven e da Vinci seguem vivos e reverenciados. Nenhum deles planejou isso. Mas ao traduzirem suas almas em suas obras, conquistaram um passaporte para a imortalidade. Quando essa entrega acontece, o observador é conquistado. E aplaude um estilo, que buscará avidamente no próximo quadro. Até criar uma intimidade que lhe permita em segundos relacionar a obra ao autor.

Vamos conversar sobre alguns artistas e seus estilos inconfundíveis.

Hoje conosco, Edouard Manet!




Édouard Manet (1832-1883) foi um polêmico pintor francês, nascido em uma família burguesa, onde era o filho mais velho. Apesar de ser o maior representante do impressionismo, ainda foi criticado e muitas de suas obras foram recusadas pelo Salão oficial de Paris.


Em 1859 a pintura "O bebedor de absinto" foi rejeitada por sua ousadia. Isso porque Manet quebrou a tradição e mostrou sua modernidade. Portanto, Manet não foi apenas um pioneiro do impressionismo, mas também um pioneiro da pintura moderna.


Apenas dois anos depois, em 1861, o pintor conseguiu expor uma de suas obras na mostra anual de arte realizada em Paris. Aliás, naquele ano, o salão exibiu duas obras de Manet, “Cantora espanhola” e “Retrato”de Sr. e Sra. Auguste Manet.

Sr. e Sra. Auguste Manet


Ressalta-se que Monet também trazia traços do movimento denominado realismo.


Em 1863, "Lunch on the Grass" desagradou aos juízes da exposição devido o erotismo na obra. Por isso, expõe no Salão dos Recusados, mostra onde estão localizadas as obras não aceitas pelo salão oficial.


Em 1865, “Olympia” foi rejeitada por razões semelhantes. O “Fife Player” de 1866 também foi rejeitado. Depois de muitas rejeições, Manet decidiu organizar ele mesmo uma exposição, resultando em uma pintura considerada uma obra-prima, a execução de Maximiliano.



Olympia


A partir de 1881, todas as suas obras puderam ser expostas no salão oficial de Paris.


Manet, Morre aos 51 anos de sífilis em Paris.



"O Bebedor de Absinto"


Principais Obras


O Bebedor de Absinto (1859)

O Cantor Espanhol (1860)

Retrato de Sr. e Sra. Auguste Manet (1860)

A Ninfa Surpresa (1861)

Lola de Valência (1862)

Música nas Tulheiras (1862)

O Almoço na Relva (1863)

Olympia (1863)

O Homem Morto (1864)

O Tocador de Pífano (1866)

A Execução de Maximiliano (1868)

Retrato de Émile Zola (1868)

Autorretrato com Paleta (1879)

A Primavera (1881)

1 visualização0 comentário